quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

NEO COLECIONÁVEIS

Frequentemente sou questionado sobre quais os requisitos para que um carro tenha placas pretas.
Primeiro faço uma breve explanação do que considero importante no antigomobilismo.
O conhecimento e companheirismo, pois antes de tudo temos que conhecer a história do automóvel e à partir dai fazermos amigos no meio antigomobilista. Depois tento explicar os requisitos exigidos para a cobiçada placa preta.
Na realidade o Certificado de Originalidade, que é emitido pela FBVA-Federação Brasileira de Veículos Antigos e não destes "aventureiros" que cobram por elas.
Primeiramente o antigomobilista deve ser sócio de um clube de veículos antigos, filiado à FBVA- a maioria destes clubes exige um período de 6 meses a 1 ano de participação efetiva no clube- , pois o veículo passará a fazer parte do acervo deste clube.
O veículo deve ter no mínimo 30 anos, e aí a razão deste post.
Estar em boas condições.
Ser aprovado por uma comissão do clube em uma vistoria, e alcançar no mínimo 80 pontos na referida vistoria, que pode alcançar no máximo 100 pontos.
Juntado à vistoria documentos do veículo e do proprietário, estes serão enviados à FBVA que aprovará ou não e, caso positivo, envia para o clube o Certificado de Originalidade em 3 vias. Uma para o clube, uma para o proprietário do veículo e outra para ser entregue ao Detran.
De posse de uma das vias, o proprietário do veículo se dirige até o Detran de sua cidade e encaminha a solicitação de um novo DUT onde irá constar no campo "Epécie/Tipo" a palavra "COL" de coleção.
Em resumo este é o procedimento.
Porém o que me motivou fazer este post foi o fato de vermos nos encontros de antigos e nas ruas veículos chamados "Neo Colecionáveis", ou seja veículos produzidos há 30 anos, em 1986 por exemplo. 
Alguns exemplos estão retratados aqui como o Gol GT,  Escort XR3,  Monza SR e Kadett GSI Conversível, esportivos da época em fotos da Revista 4 Rodas.





Porém, não menos atraentes e bonitos, carros que até poucos anos não eram muito valorizados hoje estão se tornando cobiçados no meio antigomobilista.
Exemplo do Voyage LS 1985, que mostrei aqui,  do meu amigo Ricardo, e que foi premiado no 24º Encontro Sul Brasileiro de Veículos Antigos em Bento Gonçalves em 2015.



Ômega CD


Santana CD


O que para os mais velhos, acostumados com veiculos importados das décadas de 30/40/50 ou mesmo nacionais de 60/70,  pode parecer estranho, vai se tornar cada vez mais comum nos encontros de veículos antigos. Os produzidos nas décadas de 80/90, ou seja os Neo Colecionáveis.
Quem tiver grana e paciência pode apostar nestes que cada vez mais serão valorizados.

Um comentário: